quarta-feira, março 21, 2007

[citação 19]
A ARTE



A arte é poética

Brilhos, fulgores opacos de escrita,
desvios para os dois lados da margem
sem transposição de limites...

As ambíguas violências da paisagem, o reflexo do mar
nos vidros, tudo o - não especificamente poético - que retome
o poema, o desenvolva para além dele,
para o outro lado do sono, da respiração.

Repito: "brilhos, fulgores...", e através do verso assim recomeçado
é a minha própria voz que ouço e me atinge.
Diversa, no entanto, da voz inicial.
E essa outra, imaterial e abstracta,
já não é daqui, isto é,
pertence à própria conclusão de um pensamento estético,
de uma metafísica própria,
que me suportam e transcendem.

Citação/Poema > Nuno Júdice (n. 1949), Portugal
> in Crítica Doméstica dos Paralelepípedos,
ed. Publicações D. Quixote/
Cadernos de Poesia, Lisboa, 1973.


Pintura > Hans Hartung (1904-1989), Alemanha/França
> T-50 peinture 8, 1950

[
R]

Pesquisar Nuno Júdice
> A a Z (blogue)
Pesquisar Hans Hartung
> Fondation Hartung - Bergman

Etiquetas: , ,

2 Comentários:

Anonymous Vremde Vogel escreveu...

A bela pintura de Hartung, a bela poesia de Júdice, é sempre um prazer. Obrigado.

27 março, 2007 00:42  
Anonymous Anónimo escreveu...

...

29 março, 2007 15:45  

Enviar um comentário

Ligações para este artigo:

Criar uma hiperligação

<< Home