quarta-feira, agosto 09, 2006

Semelhanças e Diferenças [3]
ARNALDO FONSECA



Quem é Arnaldo Fonseca?
Tendo apenas disponíveis alguns dados biográficos, mas sem obras fotográficas
divulgadas em número significativo, sem arquivos ou colecções que disponibilizem
essas obras e sem estudos críticos publicados, continuaremos sem saber quem é
Arnaldo Fonseca, ou quem foi? - uma vez que o presente do indicativo apenas se
deveria aplicar a autores relevantes ("aqueles que por obras valerosas...").

Trata-se de mais um caso esquecido, típico do nosso ultraperiférico alheamento
cultural, ou será que o seu trabalho não possui relevância intelectual e artística?

Arnaldo Fonseca, fotógrafo profissional, com actividade em Lisboa ao longo das
décadas de 1890 e 1900, ter-se-à iniciado no meio militar (v. capa do "Manual-Guia
do Photographo Amador -
Por Arnaldo Fonseca - Com o curso de Marinha.
Preparador do gabinete de Photographia da Escola Naval".

Além de fotógrafo profissional, entre as inúmeras actividades no âmbito da fotografia,
destacou-se como professor, investigador de processos fotoquímicos, autor de
tratados técnicos para fotógrafos amadores, o primeiro dos quais (Tratado Geral de
Photographia, 1891) foi sucessivamente adaptado e actualizado em posteriores
reedições (até 1911), autor de importantes reflexões sobre direitos de autor (La
Proprieté Photographique,
1905), director de periódicos como o Boletim
Photographico
(1900-1914), onde publicou textos de crítica, fundador e dirigente
da Sociedade Portuguesa de Photographia (1907-1914). São-lhe ainda atribuídas
as primeiras experiências portuguesas de fotografia aérea, que terá levado a cabo
em 1896, realizadas a partir de balão.

Abandonou definitivamente a actividade fotográfica, em 1911, para se dedicar à
carreira diplomática ao serviço da 1ª República. Supomos que tenha saído do país,
desiludido com, deduz-se destas suas palavras, "a sacratíssima ignorância em que
nos espojamos mais ou menos
suinamente".

(A maioria das informações contida neste post basearam-se na obra imprescindível
de António Sena, História da Imagem Fotográfica em Portugal, 1839-1997,
ed. Porto Editora, Porto, 1998)
[R]

Livros > Autor: Arnaldo Fonseca (1868-1936?), Portugal
> Manual-Guia do Photographo Amador, ed. J. J. Ribeiro & C.ª, Lisboa, 1899
> Guia do Photographo, ed. Worm & Rosa, Lisboa, s/d (1905)
(biblos © FH/CRO)/(biblos © FH/CRO)
[R]

Etiquetas: ,

7 Comentários:

Anonymous Mário escreveu...

Esse livro é um marco na história da fotografia, mas o ótimo seria produzir peqenas obras (tipo photopoche) sobre muitos autores.
Idealmente conteriam uma biografia breve, imagens significativas e um texto sobre o conjunto da obra. Poderiam até ser em pdf ou numa versão wikipédia com editores voluntários.

14 agosto, 2006 17:33  
Anonymous Roteia escreveu...

Não posso estar mais de acordo. E acrescento: quase todas os editores portugueses de livros de arte produzem objectos luxuosos (ainda por cima com mau grafismo e má impressão, em papéis pretensiosos). Conclusão: são tão caros e feios que ninguém compra.

Porém, antes de produzir livros bons, bonitos e baratos (ou pelo menos a preços razoáveis), seria necessário que artistas e obras tivessem sido devidamente identificados e estudados. Mas isso seria coisa para dar muito trabalho, não é?

14 agosto, 2006 18:26  
Anonymous Mário escreveu...

Claro que seria, e teria quase obrigatóriamente de ser trabalho não remunerado, já que o retorno económico pareceria muito duvidoso aos nossos editores.

14 agosto, 2006 18:53  
Anonymous Roteia escreveu...

O problema é que mesmo pagando não há quem queira investigar. E os raros investigadores na área da fotografia, uns não estão para aí virados (os que têm qualidade), outros simplesmente sabem pouco do assunto que investigam.

Quanto ao livro de António Sena, referido no primeiro comentário, há que dizer que foi a primeira obra do género publicada em Portugal em todo o século XX. Embora generalista não é substituivel por obras monográficas. Falta aliás mais historiografia, para possibilitar o alargamento de referências e a comparação de dados.

14 agosto, 2006 20:18  
Anonymous Mário escreveu...

Em relação ao livro de António Sena, nunca é de mais referir a sua importância, já que permite ter uma base de trabalho para ir alargando a pouco e pouco. Pessoalmente não é escrever sobre fotografia que me motiva, é fazê-la, mas uma das coisas que mais sinto a falta (e nos anos 80 quando comecei a fotografar ainda sentia de uma forma mais aguda) é a quase inexistência de fontes onde pudesse conhecer o trabalho (bom ou mau) de todos os fotógrafos que estavam ou tinham estado em actividade.
Uma forma de colmatar essa lacuna foi a revista Nova Imagem, quem apesar de não ser nenhuma "Aperture" (muito longe disso) ainda não se encaixava no molde habitual das revistas de hoje, e consegui ver alguma boa fotografia que me mostrou alguns caminhos.

14 agosto, 2006 22:47  
Anonymous Roteia escreveu...

Compreendo Mário. Talvez lhe tenham escapado as exposições e as publicações da Ether, associação e galeria que desde o início dos anos 80 até meados de 90 desenvolveu em Lisboa um trabalho pioneiro e sistemático de "revelação" de fotógrafos portugueses antigos e contemporâneos: Victor Palla/Costa Martins, Gérard Castello Lopes, Carlos Calvet, Carlos Afonso Dias, Sena da Silva, António Júlio Duarte e tantos outros.
Qualquer dia voltarei a este tema.

16 agosto, 2006 01:10  
Anonymous Mário escreveu...

Escapar não escapou, mas só lá fui uma vez, mea culpa que nos anos 80 ainda não estava tão desperto para estas questões estéticas.

18 agosto, 2006 00:26  

Enviar um comentário

Ligações para este artigo:

Criar uma hiperligação

<< Home