segunda-feira, abril 17, 2006

3 MESES



Três meses do Ultraperiférico, assinalados hoje com um agradecimento especial a
Alexandra Barreto que nos destacou há tempos no seu blogue roxo vibrante.
Agradecemos também aos nossos visitantes habituais e a todos os que connosco
dialogam na caixa de comentários, onde passámos a admitir novas possibilidades de identificação.
Temos procurado melhorar gráficamente através de alguns ajustamentos no template
do Blogger, mas ainda nos falta experiência para realizar alterações mais profundas.

Reafirmamos um deliberado distanciamento das agendas mediáticas uniformizantes
do jornalismo e das guerrilhas políticas que estas veiculam, sem rejeitar a actualidade. Acontecimentos recentes que aqui acompanhámos, como os "casos" Museu Berardo
e Museu Hermitage-Lisboa, deixam-nos a impressão de que, pelo menos na área museológica, as coisas tendem a mudar neste nosso (como lá muito atrás já dissemos)
"belo jardim à beira-mar betonizado".
Mesmo assim, Portugal continua culturalmente ultraperiférico. Considerando ser este
o pano de fundo das debilidades estruturais do país e das crises sucessivas que temos
atravessado nas últimas décadas, é nossa intenção manter aberto o debate em torno
daquilo que passaremos a designar por mediocridade localista, essa espécie de
resistência empedernida a padrões internacionais de exigência e ao cosmopolitismo
das sociedades urbanas.
[R]


Fotografia/Pintura > Helena Almeida (n.1934)
> Da série "Pintura Habitada", 1978. (Col. Mário Teixeira da Silva)

Helena Almeida, uma das nossas preferências e figura central na arte portuguesa
das últimas décadas, é senhora de um percurso excepcionalmente coerente nos
domínios plástico e narrativo. Na série Pintura Habitada, composta de sete partes
(da qual reproduzimos a quinta), a auto-representação fotográfica da pintora é
intervencionada com tinta acrílica azul. O duplo espaço de representação, fotográfico
e pictórico, interroga aqui a natureza do acto criativo face ao suporte e questiona
o papel do artista contemporâneo, transfigurando simultâneamente as fronteiras
tradicionais entre as linguagens.
[R]

Pesquisar Helena Almeida
www.absolutearts.com/artsnews/2001/05/03/28507.html
www.iartes.pt/bienalveneza2005/helena_almeida.htm
www.bes.pt/iipl.asp?srv=1100&ctxnav=28309
www.galerieimtaxispalais.at/ausstellungen/almeida_larocca/almeida_progindex_engl.htm
www.artfacts.net/index.php/pageType/artistInfo/artist/15798
dn.sapo.pt/2005/06/23/artes/helena_almeida_corpo.html

Etiquetas: , ,

12 Comentários:

Anonymous Aluizio Amorim escreveu...

Ultraperiférico,

li seu comentário naquele blog de ciência a respeito dessa cretinice de perseguir os fumantes. Sou fumante, e daí. É um problema meu. Seu comentário está perfeito. Se fossemos livrar os seres humanos de perigos o mundo pararia. Essa perseguição aos fumantes é a maior bobagem que pode existir. Os patrulheiros geralmente são pessoas sem graça, que nada têm a dizer, a não ser exibir-se com a prática de fanatismos tipo esse anti-tabagismo idiota. Que vão cheirar monóxido de carbono de seus belos carros e a poluirem cada vez mais o planeta com seu consumismo estúpido.

Grande abraço.

Aluízio Amorim
De Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.
http://oquepensaaluizio.zip.net

P.S.: Se quiser visitar meu blog, será uma satisfação. Falo mais sobre política. Mas tem um post que se refere a Portugal e que não deixa de ser interessante.
abs
aa.

18 abril, 2006 05:28  
Anonymous Roteia escreveu...

Aluízio:
Seja bem vindo à caixa de comentários do Ultraperiférico!
Agradeço as suas palavras e em breve procurarei comentar no seu blogue, que acabo de visitar com muito agrado.

Milagres da blogosfera... Que prazer comunicar com o Brasil! Os problemas dos nossos dois países, embora diferentes, podem ser analisados de fora, coisa que só pode enriquecer o debate. Com esta vantagem de falar a mesma língua.

Sob forma de homenagem ao nosso património comum, cito-lhe o escritor português Virgílio Ferreira:
"Da minha língua vê-se o mar".

Um abraço.

18 abril, 2006 13:13  
Blogger Mister Agá escreveu...

Bem vindos 3 meses!
Que venham muitos mais!

18 abril, 2006 14:23  
Blogger António Ferra escreveu...

Mediocridade localista! Perfeito. Ver um blog atingir três meses é bonito. Principalmente se o blog nos faz pensar de modo agradável. E para um bebé de 3 meses, que bom ter links tão bem organizados - esta é minha desgraça. Mas cada um é como é.
Abraços
António

18 abril, 2006 22:34  
Anonymous Roteia escreveu...

Exacto, caríssimo António Ferra:
São coisas do "funcionamento" de cada um. Muito grato pelas palavras.
Aproveito para esclarecer que isto de fazer um post por cada mês que passa não pretende celebrar o nosso umbigo bloguístico mas tão só fazer um balanço e uma avaliação do nosso "crescimento".

Quanto à "mediocridade localista", para nós um paradigma dos males nacionais, a seu tempo desenvolveremos o conceito.

Saudações ultraperiféricas. Mais abraços.

19 abril, 2006 00:04  
Blogger Katrola escreveu...

O que se está passando com o Ultraperiférico é uma forma de ser alternativa. É pensar soluções em vez de problemas, aliando os sentidos com a racionalidade. É descobrir práticas culturais que possam ser estruturantes,intímas que se integrem no nosso quotidiano.
No Ultraperiférico tem-se o saudável orgulho do SER e do FAZER. Aqui, felizmente, a ironia não é conforto e consolação para a ultraperiferia. Obrigado.

19 abril, 2006 19:46  
Anonymous Roteia escreveu...

Sê bem reaparecido, Katrola! Nós por cá, aguardamos os prometidos posts.
É certo que a ironia não é conforto nem cosolação. Mas por vezes é arma.
Um abraço

20 abril, 2006 11:25  
Blogger LeCognac escreveu...

Parabéns! Que venham muitos mais meses de posts!

20 abril, 2006 13:00  
Anonymous Roteia escreveu...

Obrigado LeCognac! ´Não apenas meses... esperemos. E retribuimos.
Saudações ultraperiféricas.

20 abril, 2006 18:48  
Anonymous Aluizio Amorim escreveu...

Roteia,

também lá no meu bloguinho respondi seu comentário. Fico muito grato pela boa acolhida. Fiquemos pois sintonizados. Há alguns anos estive em Portugal e gostei muito mesmo e cheguei a pensar em encontrar um forma de me mudar para aí. Viver no Brasil tornou-se um risco muito grande, principalmente nas grandes cidades.

Abração do

Aluízio Amorim
http://oquepensaaluizio.zip.net

21 abril, 2006 03:15  
Anonymous Max @ Devaneios Desintéricos escreveu...

3 meses apenas dde uma carreira certamente longa e interessante...

Parabéns!!

21 abril, 2006 13:32  
Anonymous Roteia escreveu...

Obrigado Max. Contamos sempre com devaneios e desinterias, como desde o início.
Um abraço.

21 abril, 2006 16:40  

Enviar um comentário

Ligações para este artigo:

Criar uma hiperligação

<< Home